livro técnicas de pintura  
afrescoaquarelaencausticatemperaoleoacrilicoalquidicocaseinavitraliconesoutras

sumarioIntroduçãoHistóriaEvolução
ContemporâneosDesenhosPosesDicasMovimentosDiferençasSutilezasErrosOssosArticulaçõesMúsculosCabeçaOssosMúsculosFaceOssosMúsculosBocaNarizPálpebrasOlhosMastigaçãoOrelhaPescoçoTroncoEsqueletoMúsculosMembro superiorEsqueletoMúsculosBraçoMúsculosAntebraçoOssosMúsculosMãoOssosMúsculosCintura pélvicaOssosMembro inferiorOssosMúsculosCoxaMúsculosPernaOssosMúsculosPéOssosMúsculos

GlossárioBibliografiaColaboradoresVídeos


Os músculos do tronco

O tronco é recoberto por músculos grandes e potentes.
Nas regiões onde o tronco se articula aos membros superiores (cintura escapular) e aos membros inferiores (cintura pélvica), as formas superficiais se tornam mais complexas.
A face anterior e superior do tórax é inteiramente recoberta por músculos, com exceção da linha mediana, onde encontramos o osso esterno. Os músculos peitorais se estendem dos ombros e do braço, ao tórax. O tronco masculino possui músculos mais definidos do que o da mulher, pois esta apresenta formas mais arredondadas e mamas mais desenvolvidas.

Os músculos peitorais

Músculo PEITORAL MAIOR
Sua forma lembra a de um leque irregular, apresentando convergência de fibras em direção axilar, abanando o esterno. É um músculo importante no desenho da região ântero-superior do tórax, situado na região do “peito”.
É composto por três partes:
A parte clavicular tem origem sobre a metade medial da clavícula. A parte esternocostal, na superfície anterior do manúbrio, do corpo esternal, e de algumas cartilagens costais. A parte abdominal, na aponeurose do músculo oblíquo externo.
Os feixes musculares dessas três partes, convergem em direção à sua inserção, sendo que a parte clavicular começa a  recobrir a parte esternocostal, que recobre, por sua vez, a parte abdominal.
O peitoral maior é mais espesso próximo ao braço, onde se insere sobre a crista do tubérculo maior do úmero, através de um largo tendão. O peitoral maior localiza-se superficialmente no músculo peitoral menor, e parte do músculo coracobraquial. Passa sobre a origem do músculo bíceps braquial e é, parcialmente, recoberto por fibras do músculo deltóide, criando a complexa sutileza desta região, que merece estudo detalhado por parte dos artistas. Sua função é a de aproximar o braço do tronco e girá-lo medialmente. Se o ponto fixo for o úmero, auxilia na elevação do tórax.

Músculo SUBCLÁVIO
Origina-se na primeira costela e em sua cartilagem costal. Insere-se na superfície inferior da clavícula. Puxa o ombro para frente e para baixo e, se o ponto fixo for a clavícula, ajuda a inspiração e a levantar a primeira costela.

Músculo PEITORAL MENOR
Tem a origem na face externa da 3a à 5a costelas, próximo às suas cartilagens costais. Insere-se no processo coracóide da escápula. Sua função: puxar para baixo e para a frente, o ombro; ajuda na inspiração forçada a levantar as costelas quando a escápula está fixa.

Músculo SERRÁTIL ANTERIOR
É um músculo grande e largo que exerce uma linha e volume de interesse artístico, na região lateral do tórax, quando se intercruza com feixes do músculo oblíquo externo do abdome.
Origina-se sobre 8 ou 9 costelas superioras, por 8 ou 9 feixes em forma de digitações, como se fossem dedos de uma mão. Insere-se sobre toda a extensão da borda vertebral da escápula. Puxa a escápula para frente e a fixa ao tronco. Levanta a escápula, como no movimento de elevar o braço acima da linha do horizonte. Se o ponto fixo for a escápula, ele levanta as costelas e ajuda na inspiração.
Existem diversos músculos profundos cujo estudo não é essencial aos artistas, como os músculos intercostais, que colaboram na inspiração e expiração. Outro músculo, o esternal, é um músculo raro que aparece em 4,5 % dos indivíduos. O músculo diafragma auxilia na inspiração, ampliando o volume da cavidade torácica.

Os músculos abdominais
O abdome está situado na região entre o tórax e a pelve. Os músculos abdominais estão dispostos em camadas sobrepostas, possuindo fibras que se intercruzam. São divididos em ântero-laterais e posteriores ou dorsais.

Músculo OBLÍQUO INTERNO DO ABDOME
É um músculo profundo e plano, cujas fibras musculares se dirigem no sentido da crista ilíaca para a linha mediana. Este músculo se origina sobre o lábio médio da crista ilíaca, sobre a fáscia tóraco-lombar e sobre o ligamento inguinal.
Sua parte posterior se insere sobre a margem inferior das cartilagens costais das três últimas costelas, e o restante se insere através de uma larga aponeurose com inserção final na linha alba.
Ação: é um músculo que auxilia na expiração, flexiona ou roda o tronco e comprime as vísceras abdominais auxiliando no parto, na defecação ou na micção.

Músculo OBLÍQUO EXTERNO DO ABDOME
Sobrepõe e cruza poucas fibras musculares com o músculo oblíquo interno.
Tem origem, normalmente, através de 8 digitações nas faces externas das 8 costelas inferiores (5a a 12a). Algumas digitações (superiores) intercruzam suas fibras com as do músculo serrátil anterior, de maneira estética, lembrando dedos entrecruzados ou, então, os dentes de um serrote.
Insere-se sobre o lábio externo da crista ilíaca e na lâmina anterior do músculo reto abdominal, até atingir sua inserção final,  a linha alba.
Ação: quando contraído em ambos os lados do corpo, flexiona o tronco para frente, “encurta” a cavidade abdominal. Quando o tórax está fixo, traciona a pube. Quando somente um destes músculos se contrai, roda o tronco para o mesmo lado. Também auxilia a micção, a defecação e o parto, através da compressão do conteúdo da cavidade abdominal.

Músculo PIRAMIDAL
Pequeno músculo triangular localizado inferiormente no abdome e ventralmente ao músculo reto abdominal. Origina-se sobre a borda ventral da pube e do ligamento púbico. Dirige-se para cima, sobre a linha alba, onde se insere. Tenciona a linha alba e ajuda o músculo reto abdominal em sua ação.   

Músculo RETO ABDOMINAL
Sua forma é alongada, fina e plana. É um músculo situado verticalmente na região anterior do abdome, constituído por ventres musculares intercalados por interseções tendinosas. Este músculo, juntamente com suas interseções, determina o relevo anterior do ventre, tornando-se mais visível nos atletas, que apresentam ventres musculares bem desenvolvidos e com pouco tecido adiposo localizado.
Origina-se na sínfise púbica e sobre as superfícies imediatamente vizinhas a ela. Insere-se sobre as cartilagens costais da 5a, 6a e 7a costelas e sobre o processo xifóide.
Sua função: flexionar a coluna vertebral, principalmente a região lombar, encurtar a cavidade abdominal e auxiliar na compressão do conteúdo abdominal.

Os músculos dorsais

Músculo TRAPÉZIO
Este músculo plano, triangular, origina-se da protuberância occipital externa e da linha nucal superior. Seu fino corpo envolve grande parte da nuca e ombros, estendendo-se até a região da 12a vértebra torácica. Estes dois músculos superficiais, um de cada lado, são os que maior área ocupam sobre o dorso e, conseqüentemente, são os mais importantes no desenho desta região.
Ação: a parte cervical eleva os ombros e a parte inferior traciona a escápula para baixo. Quando todo o conjunto muscular se contrai, aproxima as escápulas da coluna vertebral. As fibras musculares superiores e médias, quando contraídas ao mesmo tempo, auxiliam a rodar a escápula, promover a flexão  do braço.

Músculo LATÍSSIMO DO DORSO OU GRANDE DORSAL
Músculo importante no desenho do dorso, pois envolve a superfície inferior desta região.
Origina-se através de uma grande aponeurose, por meio da qual também se insere nos processos espinhosos das seis últimas vértebras torácicas, lombares e sacrais
Ação: estende e gira medialmente o braço; traz os ombros para baixo e para trás. Quando os ombros estão fixos, suspende o tronco.
Este músculo é importante no desenho do dorso, pois contorna a parede posterior e lateral do tórax, passa sobre o ângulo inferior da escápula, mantendo-a junto ao tórax.

Músculo ROMBÓIDE MAIOR
Origina-se nos processos espinhosos de quatro vértebras torácicas superiores (2ª à 5ª). Insere-se sobre a margem medial da escápula. Ação: leva os ombros em direção à coluna vertebral e eleva os ombros em direção cranial. Fixam a escápula ao tronco.

Músculo ROMBÓIDE MENOR
O rombóide menor está localizado acima do rombóide maior, originando-se da parte inferior do ligamento da nuca e processos espinhosos de duas vértebras (C7 – T1). Insere-se na mesma região que o rombóide maior, porém, mais superiormente. Sua função: age conjuntamente com o músculo rombóide maior, exercendo as mesmas funções.

Músculo LEVANTADOR DA ESCÁPULA
Origina-se nos processos transversos das quatro vértebras cervicais superiores. Insere-se na borda medial da escápula. Como diz seu nome, levanta a escápula.

Músculo ESPLÊNIO DA CABEÇA
É um músculo que se estende da cabeça ao dorso. Origina-se do ligamento da nuca, sobre os processos espinhosos de C7 – T4. Insere-se na linha nucal superior e no processo mastóide. Inclina o pescoço para trás e lateralmente, virando a face para o mesmo lado.

Músculo ESPLÊNIO DO PESCOÇO
Origina-se nos processos espinhosos da 3a à 6a vértebras torácicas, inserindo-se nos processos transversos das 2 vértebras cervicais superioras, atlas e áxis. Atua como o músculo esplênio da cabeça, executando as mesmas funções.

site do artista Atelier Prata - Tel 55 11 4035-2057 - Cel 55 11 9597-0275 - artista@sergioprata.com.br