livro técnicas de pintura  
afrescoaquarelaencausticatemperaoleoacrilicoalquidicocaseinavitraliconesoutras

sumariohistoriaAspectos TécnicosFragilidadeSéculos XVI ao XVIIIpreparação
tiposMarogerLitargírioÓleo NegroGelMaceraçãoÓleo e têmperatécnica mista
bifasica
mediumvernizTipos de pincéisVeladurasa la primaempastamentosconselhos
Craquelamentospigmentos
bibliografiaColaboradores





Técnicas de pintura à óleo

cristoA pintura à óleo foi utilizada desde a alta antiguidade. Porém, graças à fragilidade de alguns dos componentes empregados na fórmula deste período, não nos resta nenhum exemplar de pintura em bom estado de conservação. Alguns retratos de Fayoum, quando realizados em técnica mista de têmpera contendo óleo, e que por esta razão (ao contrário de outras máscaras realizadas sem óleo) apresentam craquelamentos e descolamento das camadas picturais, podem ser considerados como exemplares de obras mais antigos contendo este médium.

As obras de arte da antiguidade que sobreviveram à passagem do tempo são sobretudo as realizadas na técnica de afrescos, mosaicos e as pinturas cujos pigmentos eram fixados ao suporte por meio de colas e ceras naturais.
Em um manuscrito do século IX, tratando sobre a douração, Ernst Berger encontrou uma receita de emulsão de óleo com goma arábica. A presença da emulsão na pintura à óleo, portanto, possui comprovação histórica.

O autor, trabalhando em técnica mista de óleo, segundo a fórmula da Ensb-A de Paris, que emprega um médium e uma emulsão bifásica.


Em "A Vida dos Melhores Pintores, escultores e arquitetos", Vasari (1512-1574) chama a descoberta dos irmãos Van Eyck de a "nova pintura à óleo". Esta técnica alastra-se pela Europa e sofre diversas modificações, segundo o espírito da época de cada artista que a manipulou. A riqueza e a solidez da técnica dos irmãos Van Eyck, no entanto, nunca foram igualadas, na pintura à óleo de todos os períodos que os sucederam. 


No século XIX, após a grande revolução industrial e social, os principais motores do progresso passaram a ser a produção, o consumo e a rentabilidade. O artista abandonou a fabricação dos materiais e deixou esta função para um mercador, tornando-se dependente dos interesses comerciais, muitas vezes incompatíveis com os interesses da pintura.

Este imediatismo trouxe facilidades que colaboraram com o declínio do ofício do pintor. Com a falta de manipulação de materiais no atelier, a transmissão do conhecimento se perdeu progressivamente, e com isto, a pesquisa artística que permitiria inovações técnicas. Nesta área do conhecimento, a transmissão de conhecimentos seculares apresentou um declínio que persiste até nossos dias.

No entanto, alguns pesquisadores, cientistas e artistas contemporâneos ainda pesquisam documentos históricos, trabalham em laboratórios e conseguem propor fórmulas que resgatam as técnicas do passado, seja retrabalhando com os mesmos materiais, mantendo-as inalteradas, ou adequando-as para os materiais contemporâneos.

Entre os artistas e pesquisadores dos veículos e aglutinantes para pintura à óleo, vale ressaltar as contribuições recentes da escola Francesa, de onde vem a colaboração de Jacques Maroger, Marc Havel, Xavier de l´Anglois, Nicolas Waker.

 

Os pesquisadores atuantes - todos contemporâneos - Abraham Pincas, Jean Petit, Claude Yvel e François Perego continuam atualmente a realizar uma profunda pesquisa, e trazem fórmulas, conceitos físico-químicos e ensinamentos de grande valia para os pintores que empregam este médium.

A pesquisa de Claude Yvel já dura 5 décadas, e colabora com o resgate de fórmulas dos mestres dos diversos períodos da história, fruto de suas leituras de tratados centenários, e de suas experiências práticas de atelier, pois conduz uma trajetória como pintor de renome e valorização internacional.

A técnica mista do óleo, ensinada no atelier de Techniques de la peinture da École Nationale Supérieure des Beaux Arts de Paris envolve a manipulação de um médium monofásico com resina e de uma emulsão bifásica. Trata-se de uma adaptação da técnica holandesa aos materiais contemporâneos, feita por Nicolas Wacker, que leva em conta conhecimentos como a interação entre camadas, subvertendo o princípio de gordo sobre magro, que pode limitar o tempo de trabalho com o óleo.

Esta técnica, lecionada na Ensb-A de Paris por seu discípulo e sucessor Abraham Pincas (com a assessoria do físico-químico Jean Petit), é uma das técnicas abordadas neste curso on-line, passo a passo, desvenda sofisticados funcionamentos da pintura à óleo, levando em consideração a necessidade de trabalharmos com materiais com pouca toxicidade, algo muito relevante e essencial aos artistas.

De fato, alguns procedimentos técnicos ligados às técnicas antigas de pintura à óleo podem ser nefastos à saúde, pois empregam o cozimento do óleo (nozes ou linhaça) com secantes (alguns como o litargírio, que contém chumbo) e pigmentos contendo metais pesados na preparação de tintas. Os cuidados necessários para preservar a saúde do pintor à óleo são também abordados em toxicologia, parte integrante deste curso online.

logotipo

As técnicas propostas por Maroger, Yvel e Havel são uma tentativa de resgatar os procedimentos empregados pelos pintores dos séculos XVI ao XVIII. Apesar da presença de alguns materiais perigosos à saúde, como o óleo negro, que contém óleo de nozes cozido com litargírio (óxido de chumbo), estas pesquisas elucidam os materiais e o passo a passo empregados pelos mestres do passado, propondo diversas formulações.

PROCEDIMENTO DE COMPRA

site do artista Atelier Prata - Tel 55 11 4035-2057 - Cel 55 11 9597-0275 - artista@sergioprata.com.br