livro técnicas de pintura  
afrescoaquarelaencausticatemperaoleoacrilicoalquidicocaseinavitraliconesoutras

SumárioAfrescosEncáusticaCaseínaPintura á óleoEflorescênciasCraquelamentosEstratigrafiaAnálisesRefaciamentoReintegraçãoTrattégioMarouflagem


amarelos
azuisbrancos
pretosterrasvermelhosverdes


Restauração de Pinturas Murais

Ampliação de conteúdo: O curso online de restauro de pinturas murais trata também sobre técnicas contemporâneas de saneamento de infiltrações por capilaridade nas paredes de imóveis, colaboração da escola de restauro dos monuments historiques da França.

 

Algumas características fisico-químicas são necessárias para que uma pintura mural resista ao tempo, não se deixando degradar pela ação da umidade e das intempéries.

Toda pintura mural deve ser feita com aglutinantes que não contenham ingredientes demasiadamente orgânicos, que possam putrefar. Sendo assim, a caseína e a têmpera tradicional são técnicas frágeis, facilmente atacadas por fungos e bactérias, devido à presença de proteínas animais do leite e do ovo.

A pintura mural não deve ter uma camada pictural muito dura (caseína) ou estanque (óleo). Nas pinturas murais com camadas impermeáveis e estanque, é comum presenciarmos o craquelamento, as bolhas, trincas e descolamentos, decorrentes da ação da umidade.

Especialmente no caso da pintura à óleo, quando aplicada em pintura mural, a umidade que sobe por capilaridade ou que desce por gotejamento ou infiltração, empurra e descola a camada pictural, que só deixa a parede exalar sua umidade com a quebra de sua coesão.

Nirceu Helena, restauração da capela do Santíssimo da Igreja do Rosário, Bragança (SP).

Alguns conceitos básicos de técnicas de pintura devem ser estudados por todo restaurador de pinturas murais:

1. Preparação de suportes e de paredes, argamassa, arriciatto e intonaco.
2. A Interação entre as camadas do suporte, a encolagem e o indumento da parede.
3. Os aglutinantes para a pintura mural, as colas reversíveis, sintéticas e orgânicas, sua composição e a sua resistência ao tempo, umidade e intempéries. Compatibilidades e características entre as técnicas.

4. Poder de cobertura e de transparência dos aglutinantes.
5. Manuseio de aglutinantes e pigmentos.

Métodos empregados na restauração de pinturas murais como o refaciamento, a estratigrafia, e as reintegrações de suportes são abordados neste curso, cujo prefácio se encontra na coluna vertical à sua esquerda.

O autor do curso on-line, restaurando a capela do Santíssimo da Igreja do Rosário, em Bragança (SP).

 

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE PINTURAS MURAIS

As técnicas de pintura mural podem ser divididas em:

1) Técnicas que apresentam camada pictural claramente distinta do suporte.
Ex: óleo, acrílico, alquídica, têmperas de ovo e caseína.
Neste caso, podemos identificar claramente uma camada pictural, dura, estanque, elástica, oleosa, craquelada, ou bem fixada, sobre o suporte preparado. São as técnicas que apresentam maior necessidade de restauro.

2) Técnicas onde a camada pictural se insere no suporte.
Nestas técnicas, o filme de pintura entra bem dentro do suporte, nutrindo a parede, como nos casos de pintura com cera emulsionada e de afresco. Por serem técnicas alcalinas, são mais resistentes, e raramente necessitam de restauro. O afresco, por ser frágil, não resiste à impactos.


RESTAURO DE TÉCNICAS COM CAMADA PICTURAL

Fazendo a análise estratigráfica, com o auxílio de um bisturi e em alguns casos, de solventes, detectamos pinturas antigas: retirando as camadas de repinturas mais recentes, chegamos até a primeira pintura, e identificamos as diversas camadas de pintura que cobrem a pintura original.

 

As questões relativas à presença de umidade, seus tipo e procedimentos de saneamento, são abordadas no curso. Saiba os principais procedimentos para restaurar uma pintura mural realizada com técnica à óleo.



Conheça algumas análises microbiológicas, e exames com macro e micro fotografia, em um laudo realizado por um químico sobre amostras para uma obra de restauro.

Conheça algumas obras de restauração onde o autor atuou como técnico em pinturas.



 

 

Procedimento de compra.

 

 

 

Estratigrafia realizada na capela do Santíssimo da Basílica Velha de Aparecida (SP), de Sérgio Prata.

 

Colaboradores:

Antonio Barbosa Pereira: execução de estratigrafias e exploratórias.

Nirceu Aparecido Helena: decapagem, refaciamento, reintegração de suportes e pictural, restauro.

Sérgio Prata: autoria de textos e imagens sobre aglutinantes, argamassas, técnicas de pintura e restauro.

Rafael Souza Oliveira: análises químicas e microbiológicas.

Georges Duval, Inspecteur Général Honoraire des Monuments Historiques da França.

site do artista Atelier Prata - Tel 55 11 4035-2057 - Cel 55 11 99597-0275 - artista@sergioprata.com.br